Mata Atlântica

Entre as áreas hotspots (áreas quentes) do planeta, a Mata Atlântica está entre as cinco regiões mais ricas em número de espécies endêmicas de plantas e de vertebrados (Tabela1), representando 2,7 e 2,1%, respectivamente, em escala global. Toda essa diversidade encontra-se restrita a cerca de 91.930 Km2 de área remanescente de Mata Atlântica.

Hotspot Plantas endêmicas (% do total global, 300.000) Vertebrados endêmicos (% do total global, 27.298)
Andes tropical 20.000 (6,7) 1.567 (5,7)
Sundland 15.000 (5,0) 701 (2,6)
Madagascar 9.704 (3,2) 771 (2,8)
Mata Atlântica 8.000 (2,7) 567 (2,1)
Caribe 7.000 (2,3) 779 (2,9)
Subtotais 59,704 (19,9) 4.385 (16,1)

Tabela 1 – áreas hotspots líderes em termo de endemismo

Um importante parâmetro para se avaliar a diversidade biológica de uma região consiste na análise da proporção do número de espécies endêmicas de plantas por área. Algumas poucas áreas no planeta apresentam significante concentração de espécies endêmicas como a Mata Atlântica. Estudo realizado por Myers e colaboradores (2000) demonstrou a proporção de número de espécies endêmicas por áreas para 8 hotspots do continente americano. Em relação ao número de plantas endêmicas por área, a Mata Atlântica somente perde para floresta do Caribe.

Hotspot Espécies vegetais endêmicas
Caribe 23,5
Mata Atlântica 8,7
Andes tropical 6,4
Choco/Darien/ Equador ocidental 3,6
Província florística da Califórnia 2,7
Mesoamérica 2,2
Chile central 1,8
Cerrado 1,2

Tabela 2 – Proporção espécies vegetais/área por 100 km2 para hotspots do continente americano

Pesquisa de inventário florestal, realizada em um único hectare de Mata Atlântica no sul da Bahia, demonstrou a presença de 458 espécies de árvores de grande porte. Nesse mesmo bioma, em serras do estado do Espírito Santo, 476 espécies foram catalogadas em área de um hectare. Numa comparação simplificada, existem mais plantas e animais diferentes em um hectare de Mata Atlântica do que em todo o território da Alemanha (Goyano, 2007).

Apesar dessa grande riqueza, a Mata Atlântica é considerada como uma das principais florestas tropicais ameaçadas de extinção. Pouco ainda se conhece a respeito de sua biodiversidade. Do total estimado de plantas existentes, apenas 10% estão descritas. Devido ao processo de exploração predatória, muitas espécies podem estar desaparecendo antes mesmo de serem conhecidas. Por isso, vários pesquisadores apontam esse bioma como um dos mais ricos do mundo, sendo o seu estudo considerado primordial para a sua conservação.